Míssil ar-ar MICA - França


Nos anos 80, os engenheiros da empresa francesa Matra chegaram a conclusão que os progressos tecnológicos permitiriam economizar os custos advindos do desenvolvimento de dois tipos de mísseis ar-ar. Assim, decidiram substituir o Magic de curto alcance e o Super 530D de médio alcance por uma única arma capaz de satisfazer todo o espectro dos requisitos operacionais. O novo míssil chamou-se MICA (Missile d'Interception, de Combat et d'Autodéfense ou Míssil de Interceptação, de Combate e de Autodefesa). Projetado para operar em alcances variáveis, de poucas centenas de metros até mais de 80 km, o MICA tanto pode utilizar a orientação por imagens infravermelhas (IIR), como sensores radar-ativos (RA), intermutáveis. Medindo apenas 3,1 m e pesando só 110 kg, sua construção exigiu progressos em todos os setores da tecnologia de mísseis ar-ar: seu motor foguete tem melhor performance do que outros de propergol sólido e sua extrema manobrabilidade está garantida pelo empuxo vetorial do jato, com pequenos defletores no tubo de saída, complementando as superfícies de controle aerodinâmicas. Estas são compostas de quatro pequenas aletas estabilizadoras atrás do radome, quatro aletas bem maiores ao longo da parte central do míssil e quatro aletas de controle posteriores móveis, que permitem manobras muito fechadas, inclusive com disparo do MICA contra caças inimigos que se aproximem por trás.

Passe o mouse sobre a parte traseira do MICA para ver detalhes do empuxo vetorado do jato.


O sistema de orientação também combina diversas tecnologias: após o radar do avião detectar um alvo, o MICA voa inicialmente sob controle do seu sistema de navegação inercial. Em seguida os sensores do míssil assumem o controle para completar o ataque. O sensor IIR possui inúmeras vantagens, pois opera em dois comprimentos de onda IR para construir uma imagem do alvo auxiliando a identificá-lo e seu alcance é muito elevado, comparável ao do sensor radar, que permite seu uso contra objetivos além do alcance visual (BVR, Beyond Visual Range) sem que seja necessário emitir qualquer impulso, impedindo sua detecção pelos sistemas de alerta radar do caça inimigo. As contra-medidas eletrônicas incorporadas ao MICA, podem distinguir o alvo de quaisquer artifícios (chaffs/flares) lançados para enganá-lo ou mesmo diante de interferência de sinais. Portanto, o piloto de um avião armado com o MICA tem à sua disposição uma ampla variedade de opções de ataque. Pode lançar mais mísseis contra alvos BVR e à curta distância pode utilizá-lo tanto antes como depois dele ter sido "enganchado" num objetivo designado pelo radar da aeronave. Operacional na Força Aérea Francesa desde 1996, onde equipa o Mirage 2000-5 e o Rafale, este míssil extremamente ágil, relativamente pequeno e leve, pode ser também utilizado por uma variedade de outros caças, como o F-16C e o Gripen. Futuros desenvolvimentos do MICA poderão incluir novos sistemas de propulsão e sensores radar de banda dupla, que o tornarão ainda mais letal. Este míssil está sendo oferecido à FAB para equipar o Mirage 2000 BR, na proposta da Embraer/Dassault para o novo caça de superioridade aérea, a ser definido dentro do Projeto FX.



Origem
França
Comprimento
3,1 m
Peso
110 kg
Velocidade
mach 4
Alcance
80 km
Ogiva
12 kg
Orientação
IRR (imagens infravermelhas) e RA (radar ativo)
Propulsão
motor foguete de propergol sólido



                                 www.militarypower.com.br                                   eXTReMe Tracker
                       A sua revista de assuntos militares na internet